Monday, 5 June 2017

Travel diary Peneda-Gerês


Peneda-Gerês...
Bem, nem sei por onde começar. Talvez pela vibe positiva entre a calma, serenidade, até mesmo paixão que toda a natureza transmite, a partir do momento em que nos envolvemos, ou pela vontade enorme que senti em não sair daquele lugar, e adoptar por completo o estilo de vida de quem lá criou raízes, basicamente a vontade era largar tudo supérfluo e dar mais valor ao realmente importa.
Em algumas palavras e imagens, partilho contigo o quanto vale a pena passar algum do nosso tempo neste lugar, conhecer o que para mim era completamente desconhecido.


Nesta pequena viagem, eu e o Pedro estivemos pelos lados da Porta de Lamas de Mouro e Castro Laboreiro (concelho de Melgaço), em plena serra da Peneda.
E não, não foi muito dispendioso, com um pouco de pesquisa acabei por encontrar um pacote de duas noites para duas pessoas num bungalow amoroso e acolhedor no Camping de Lamas de Mouro, onde incluía uma visita ao Centro de Interpretação da Porta de Lamas de Mouro. Nesse mesmo centro foi ,possível ficar a conhecer a dimensão do Parque Nacional da serra da Peneda e da serra do Gerês (daí ser conhecido por Parque Nacional da Peneda-Gerês), que por sua vez também faz fronteira com Espanha, onde se designa por Parque do Xurés.


Algo que também fiquei a saber e que é único em Portugal foi, que neste parque ainda há pessoas que têm casas fixas a meio da serra, as casas de Verão (brandas) que ficam em zonas mais altas e as casas de Inverno (inverneiras) que localizam-se em vales, e deste modo conseguem manter o sustento próprio de tudo que criam e cultivam durante o ano.
Num pequeno museu situado em Castro Laboreiro, onde o espólio é conseguido através de doações da população local, deu para visualizar como eram as antigas casas da zona e como viviam as pessoas em outros tempos.


Aqui sim é possível relaxar, até porque rede móvel e Internet praticamente não existe, só em algumas localidades mais próximas. Mas se queres saber, não senti falta nenhuma pois a sensação de liberdade material foi única!
O tempo obviamente foi passado a explorar, a fazer caminhadas por trilhos, a desfrutar da paisagem e das estradas panorâmicas. Visitá-mos o santuário da Nossa Senhora da Peneda, e subimos até ao castelo de Castro Laboreiro a mais de 1000 metros de altura.
Cascatas que adoro e pensava conseguir ver de perto, só consegui de longe porque não havia acessos, mas sem dúvida que valeu a pena na mesma!

Photography by Ângela Machado & Pedro Silva

Só tenho coisas boas a dizer sobre estes dias, das condições do alojamento, das pessoas da terra que são tão simpáticas, amáveis e prestáveis, acho que já não me sentia tão bem (até comigo mesma) há muito tempo.
Quero muito, mesmo muito voltar a este grande tesouro da natureza, mas provavelmente será noutra zona.
E se é de uma aventura destas que precisas, aproveita e comprova tu mesma(o) este shot de ar puro e tranquilidade!



2 comments:

  1. É uma zona muito bonita!

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ReplyDelete
  2. Gostei muito de te ler e ver estas fotos magnificas. De fato, no Gerês é mesmo assim: sente-se uma paz, calma, cheiro a natureza. É de fato, um belo local

    ReplyDelete